Nossa Voz

x
 
 
 
 
  1. Play
       189   03:45:00    Valsa

    Cecy Carmo


    + Ouvidas:  58
    Disco Autor Interprete





    Músicos: & Instrumentos:
    Produtores:
    Artes:

  2. Play
       808   07:02:00    Valsa

    Valsa nº 9


    + Ouvidas:  52
    Disco Autor Interprete





    Interpretes:
    Arranjos:

MÚSICA realizados (Possidônio Queiroz) no PIAUÍCult. 

  1. Autor  

    |   BANDOLINS DE OEIRAS I   | Música:  Cecy Carmo   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  58

  2. Autor  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Valsa nº 9   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  52

  3. Autor  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Valsa da Sagração   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  24

  4. Autor  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Grande valsa em Si bemol (Sib)   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  30

  5. Autor  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Grande valsa em Dó   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  18

  6. Autor  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Horas de Melancolia   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  29

  7. Autor  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Valsa Serenata   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  30

  8. Autor  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Pensando em ti   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  29

  9. Autor  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Valsa do Poeta   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  28

  10. Autor  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Cecy Carmo   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  37

  11. Autor  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Para Alice 1   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  28

  12. Autor   Músico  

    |   VALSAS PIAUIENSES   | Música:  Lilásia   |Autor:  Possidônio Queiroz    |  + Tocadas:  21

Sobre... (Possidônio Queiroz). 

Memorial Possidonio Queiroz

Prestigiado por ser produtor cultural, beletrista, flautista. Observador de acontecimentos da história de Oeiras, Piaui, do Mundo, e que, sendo parte do processo, influenciou gerações com sua produção artística, diplomática, historiográfica, sensitiva, forense e, por que não dizer, política. Neste espaço analizaremos a sensibilidade e historicidade dele e dos homens de sua época, reconhecendo os icógnitos de nossa "história" e histórias.

POSSIDÔNIO QUEIROZ

Possidônio Queiroz
Flauta de prata Italiana em Sib
“... é o passado, o tempo por excelência. Dele, nos vem, às vezes embrionárias, as grandes lições que recebidas, estudadas, ampliadas, constituem hoje o esplendor das ciências e da arte. Em qualquer província do saber humano na pintura, nas letras, na musica, na estatuaria, etc., temos, dele, lições a aprender, exemplos a seguir. Não se poderá, por isso, afirmar que somente o passado é positivo?”. (Possidônio Queiroz, in REVISTA Inst. Hist. de Oeiras, 1986, p. 24)
No início desse ano acorreu a ideia de reunir os músicos Francisco Queiroz e Rodrigo Queiroz pela necessidade de executar algumas valsas de Possidônio Queiroz, nos eventos da cidade de Oeiras. Havia também o enorme desejo dos dois músicos de tentar reanimar o reconhecimento da música deste compositor pela população oeirense. Ao sentir essa possibilidade, verificou-se a necessidade de agregar o instrumento que representa Oeiras pelo Piauí afora, o Bandolim. Assim, foi surgindo naturalmente o contato com Herbert Vinicius, grande e dedicado bandolinista, que recebeu enorme influência dos Bandolins de Oeiras. Foi sua a dica para o nome do grupo, pois, como este é uma representação implícita do compositor oeirense, o “apelido” “Beletristas” foi sugerido porque foi o nome dado a Possidônio pelo cronista Ferrer Freitas, pois beletrismo significa amante das Artes. A formação fechou com a chegada de Felipe Silva, filho de uma família de multi-artistas.
Apresentaram-se pela primeira vez na Programação Cultural da Semana Santa – 2013 e, daí pra frente, começaram a surgir novas possibilidades como: Lançamento do Livro Arquivo Silencioso, do Historiador Francisco de Moraes Rêgo e o Lançamento do livro Sonetos e Retalhos, do Poeta Gerson Campos.
Em todas as apresentações uma nova experiência com novas músicas, mas sempre um repertório recheado de clássicos da música brasileira passando pelos variados gêneros como choro, samba, bossa, polcas, valsas e, sempre, homenagens ao grande inspirador Possidônio Queiroz.
No dia 19 de outubro de 2013, fomos convidados para fazer uma apresentação no Programa Viva Piaui. Aproveitamos para transversalmente fazer uma homenagem de Possidônio Queiroz à cidade natal e consequentemente ao Estado do Piaui. A música executada chama-se Valsa Ceci Carmo, dedicada à sua afilhada. Diz-se que a peça fora executada pela primeira vez, ao público, na cerimônia de inauguração do Cineteatro Oeiras, em 1940.
Na cerimônia dá-se a primeira apresentação pública em instancias tão importante da “Valsa Ceci Carmo”, que faz abertura do evento sendo tocada pela Banda Santa Cecília (grupo mantido pela prefeitura). O nome da valsa é homenagem à sua afilhada, filha de Benedito Carmo, que foi mestre de banda de música. Esta foi muito apreciada pela população. Por varias vezes fora selecionada ao repertorio para execução em outras solenidades, e até na gravação do CD do grupo Bandolins de Oeiras no final da década de 1990. Possui bela introdução que demonstra a partir daí as possibilidades do instrumento e suas habilidades virtuosísticas. Dona Petinha Amorim[1] (2007), que sempre acompanhou essa saga musical, afirma emocionada: “Ceci Carmo, também, aquela introdução, aquela introdução feita por Possidônio, meu filho você ficava... assim ... [...]. E tinha aquela parte que a gente entrava pra fazer aquele acorde, é a coisa mais linda. Ele fazia essa escala com uma perfeição ...! (LIMA, 2009)[2]

© Todos os Direitos Reservados 2017 - 2021 |   MAGNUSOFT desenvolvimento Sobre